Se neste Abril te cravo um beijo
no meio da multidão

e se ouvires o clamor do povo
sem qualquer hesitação,

é porque o amor saiu à rua,
no dia da revolução.

Deu-te um cravo e deu-te beijo
e Depois do Adeus ele deu-te a mão.

2 comentários:

Susana disse...

Simplesmente lindo :)
Parabéns!
SusanaSousa
http://escrevedora-s.blogspot.com

luiz gustavo disse...

estações


des
maio
um rio de pedras
que atormenta ornamenta
minha alma de lesma a mesma
a esmo estou só sem dó ou pó eu mesmo
desvario onde várias acácias
em silêncio sob uma chuva
miúda de maio
jazem

já não há
mais flores ou cores
entre os ramos pois é maio
um arrepio de frio um pio de pássaro
um espaço vazio entre um passo ao abismo
o istmo passado o ninho esfarrapado
o arame farpado do meu coração
a cor do céu em combustão
a flor-de-maio
é fria

caio
no labirinto
do poço onde sinto e ouço
estrias n'água minhas pálpebras
vazias estão as estrelas e são elas entre
os elos destes dédalos os halos
são tão belos nos cabelos
nos capins carmins
odor de jasmim
em mim


soletro
o nome árido
desventro o vento úmido
onde as letras são escarlates escritas
como um fio de lâmina explícita
a escorrer um rio que cresce
e ainda nem chegamos
a ver o arco-íris
em maio

é frio
e mais que
todos frios outonais
escuto omissos risos
dentro em mim solertes segredos
sentidos flertes urdidos nós de sais
e vais assim mesmo de soslaio
sem pedir teu perdão
pois não é maio
é abril